28 de dezembro de 2010

Desejos, tem tudo a ver com desejos

Se não desejares, morres por dentro. A minha amiga D. está entusiasmadíssima a organizar os festejos da passagem de ano e, como se não bastasse tamanha tarefa, já me arranjou pelo menos mais duas festas para Janeiro de 2011. O entusiasmo é tão grande que aproveita todos os telefonemas de boas festas para combinar um fim-de-semana fora de Lisboa. É uma exagerada, digo eu. És uma engonhada, está a fluir, diz ela. Ela gosta de ver as coisas a fluir. E a vida divide-se precisamente entre quem gosta da preparação, de ver as coisas fluírem, e entre quem só se interessa pelo resultado final. Por esta razão, e por outras razões, é importante que não faltem as passas na grande noite, e que não faltem os desejos no ano inteiro. Poucas pessoas entenderam quando disse, em meados de Dezembro, em jeito de resolução de ano novo, que ia mudar de vida; e à pergunta “o que vais fazer de novo?”, respondi com “vou comprar uma mesa extensível para a sala de jantar”. Na vida, como num grande jantar de amigos, que nunca falte o prazer da escolha dos ingredientes, do tempero, da confeição e da confecção, que nunca falte o prazer da preparação da mesa; e, mesmo que no final o cozinhado não corra assim tão bem, que fique sempre o grande desejo de haver mais e mais.

4 comentários:

AC disse...

Tulipa,
Entendo os seus desejos e identifico-me com eles. Um brinde à mesa extensível, abarcadora de todos os afectos!

Beijo :)

Tulipa disse...

Um brinde AC! é mesmo isso, uma mesa abarcadora de todos os efectos, e extensível :)

Malena disse...

E que também nunca faltem os comensais, da nossa escolha, para partilharem o nosso repasto. Aí é que a refeição fica boa! :)))

Tulipa disse...

Sim, uma boa refeição sempre com uma boa companhia! :)