24 de março de 2010

Que dor!

Já conhecia a dor de corno, a dor de cotovelo, entre outras...
Há uns dias tive a oportunidade de experienciar a dor de galo na cabeça após uma parede do meu local de trabalho ter, literalmente, chocado contra mim.
Nem vou aqui descrever o barulho, nem a sensação de todos os ossos do crânio terem-se deslocado cerca de oito centímetros, mais ou menos os mesmos que o eixo de rotação do planeta ter-se-á deslocado com o terramoto.
Prontamente socorrida pela D.A., que me trata sempre pelo diminutivo de qualquer nome ou grau académico, sugeriu-me que fosse para casa e accionasse o seguro. Começou a perguntar-me carinhosamente se me estava a sentir mal, se estava com calor, se estava com frio, se tinha vontade de vomitar, entre outros sintomas. Comecei a sentir tudo à mesma velocidade que ela enumerava todas as sensações que eram possíveis resultar daquela situação.
Ainda ponderei a sugestão. Acidente de trabalho, hum, fim-de-semana à porta...Acabei por ficar.
A minha mãe, que às vezes me trata por patanisca, disse que a nódoa negra irá passar. O único senão, para além da possibilidade de traumatismo craniano, é que o galo ia cantar à meia-noite. A nódoa negra passou e o galo não cantou.
Claro está que fiquei curiosa sobre a origem da expressão "galo na cabeça", que no meu caso foi bem no meio da testa, mas não encontrei nada de relevante. E já provei que é tudo mentira.
A explicação mais verosímil foi aquela que compara o hematoma à semelhança com uma crista de galo.
Bem, também não é preciso exagerar. Não ficou muito bonito e tal, mas daí a parecer uma crista de galo...
Em relação às consequências, essas irão revelando-se aos poucos. Há até quem diga que já se nota.
Não é fácil voltar ao trabalho!

6 comentários:

Helga disse...

Lamento pelo teu 'galarote', mas sem querer ser alarmista, não o percas de vista mesmo quando ele já não se notar. Há 'pancadas' que demoram algum tempo a manifestar-se, mesmo quando na altura não é detectado nada de relevante. Podia contar-te uma história de alguém conhecido, mas passo essa parte, dizendo-te apenas para ficares atenta daqui para a frente.

Kisses e as melhoras :)

Catarina Reis disse...

Olá Tulipa, também eu já tive uma experiência semalhante, um galo na nuca, causado por um encontro do primeiro grau com um cabeçudo maior que eu, mas enfim... com miminhos isso vai passar.

bjs Catarina

Brown Eyes disse...

Devias tirar um Raio-X não? Era melhor. Beijinhos e as melhoras

Tulipa disse...

Obrigada pela preocupação. Já está ok, aparentemente. ;)

Luis Baptista disse...

"bem no meio da testa, mas não encontrei nada de relevante"

de certeza? olha passa outra vez a mão.

Tulipa disse...

Luis, foi por uma unha negra, já passei, não encontro nada...acho que tenha algum tipo de protecção ;)