26 de março de 2010

Desta vez, vai começar pelo fim.

É-lhe conhecido o gosto por quebrar os caminhos pré-traçados. Tem um pouco de encanto e criatividade, mas também de manipulação e sublimação. Não é fácil o relacionamento com ela, não é fácil lutar contra a predestinação para seguir um caminho diferente. Não foi por falta de conselhos. A vida não se coaduna com escolhas com base na beleza, no amor verdadeiro, na procura da certeza. A vida não espera que acerte no atalho, depois de ter decidido sair dos trilhos marcados. Assim como a natureza se revolta com a quebra dos seus ciclos naturais, assim como o mar irá tomar de volta tudo o que lhe retiraram, assim a vida irá fazê-la perceber que não se harmoniza com escolhas extraordinárias. Desta vez, ela não vai construir sobre alicerces velhos. Teria que nascer de novo e, nesta vida, não será possível. Porque certos trajectos fazem-se num sentido só. Nessa relação com contornos tão burlescos, acaso da sincronia, apelidada de nada, criou um fosso tão grande entre eles, só transponível se se projectarem os dois no abismo. E o abismo é o fim.


8 comentários:

Catarina Reis disse...

Bom dia Tulipa,
Este teu post, está demasiado profundo e bonito é melhor não comentar, no entanto deixo-te aqui uma frase do escritor e poeta Italiano, Cesare Pavese.
"O único modo de escapar ao abismo é observá-lo, e medi-lo, e sondá-lo e descer para dentro dele."
Bjs Cat.

Meio Cheio disse...

Muito bom...isso já tu deves saber...quando se escreve assim sobre algo é porque realmente se sente. Quando retratamos nada mais que algo que conhecemos, é como observar a realidade.
Contudo temos que olhar para sa coisas como algo bom, não há nada sem esse lado...e um abismo não é um fim...mas sim um começo...se o alcançamos é porque está na altura de mudar de caminho =)

Beijo*

Tulipa disse...

Obrigada pelas sugestões;)
Tirei todas as medidas, desci de rappel e subi em escalada. Gosto de desportos radicais;) kiss

Helga disse...

Todas as coisas, boas ou más, têm sempre dois lados e duas interpretações, bastando para tal que haja dois envolvidos. Estou certa que se caminharem os dois para o mesmo abismo, ele será diferente para cada um deles.

Belo texto. Kisses :)

El Matador disse...

O Abismo pode não ser o fim.
Se olhares bem para o abismo verás que ele te olha de volta.

luisa disse...

Chegando ao fim, há que recomeçar...
:)

johnny disse...

Pelo menos, quando saltarem os dois, encontram-se lá no meio durante alguns instantes... pode ser até que algum tenha trazido um pára-quedas e que se salvem ambos... pode ser.

Poetic GIRL disse...

Muito bom! bjs