3 de setembro de 2010

A luz acesa tira o enigma, com a luz apagada não se vê nada, o lusco-fusco é o que me dá mais gozo.

Sobre o tema livre desta semana para a fábrica de letras, a única coisa que me veio assim à cabeça foi liberdade. Que original. Liberdade de expressão em particular. E se assistimos, vezes sem conta, a discussões sobre o assunto, principalmente através da comunicação social! A liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões, ideias e pensamentos. Então porque é que escolho tanto as palavras, as ideias e os pensamentos que partilho por aqui? Porque é que assisto há 4 anos, é verdade já ando nisto há 4 anos, a pessoas que partilham connosco as consequências de expor desta forma o que pensam, que terminam blogs porque não aguentam a pressão e que chegam a ter problemas na real life? Porque a liberdade de expressão, no que diz respeito ao que se escreve no blog, para mim, é directamente proporcional à resistência à frustração de cada um. Eu sei que este assunto é um pouco mais complexo que isto, mas sempre que abordo por aqui um assunto mais difícil de gerir é uma ideia que tenho sempre em mente. É claro que já me arrependi de ter quebrado o anonimato, que confundi real life com real live, que disse coisas que “não são bem assim”, e também comecei a utilizar as etiquetas de propósito só para confundir mais, mas a verdade é que gosto mesmo disto.

13 comentários:

El Matador disse...

E nós gostamos de ti também.

Malena disse...

É inevitável ficarmos presos a algumas limitações. Não somos nunca totalmente livres e as nossas "marcas" não desaparecem como num passe de mágica, ainda que o desejemos.

Tulipa disse...

Obrigada Matador. E gosto de ti também.


Malena, é verdade, vão ser haver algumas limitações.

luisa disse...

Malena tem razão quando diz que não somos nunca totalmente livres. Nem aqui nem na vida real... pelo menos no que à expressão diz respeito. Livres, só mesmo no pensamento.

Tulipa disse...

Pelo menos no pensamento, luisa.

Rafeiro Perfumado disse...

A única limitação que me imponho são assuntos do trabalho, pois não quero confundir a personagem do rafeiro com aquilo que faço "lá fora". Agora de resto, garanto que ninguém me impedirá de dizer o que bem me apetecer, e olha que até já me ameaçaram de morte.

Beijoca!

Tulipa disse...

Acho que estás certo, mas não é para todos. Eu vou dizendo aquilo que vou conseguindo... :)
Beijoca!

Catarina Reis disse...

A "nossa Liberdade termina onde a do outro começa.
É positivo poder expressar o que se quer, sem obstáculos, porque muitos lutaram e morreram para que isso fosse possível, no entanto acho que muitas vezes há quem use e abuse dela, tornando-a numa não liberdade, tornando-a em algo que não tem explicação, por isso acho que como em todas as situações, deve de existir bom senso para se dizer, o que se pensa, mesmo em espaços como este.
Bjs

Tulipa disse...

Eu não diria melhor catarina. kiss

lânternamágica disse...

e somos muitos...o blogue tem a virtude de iluminar o seu autor, conheces?

Tulipa disse...

:)nem a propósito lanternamágica

Luis Baptista disse...

A liberdade em si e a de expressão, é um pensamento ilusório, necessário à acção, como tantos outros.

O pensamento, que se achava livre, mete-se nesta clausura e espera a visita da sua amada imaginação para que o salve.

Tulipa disse...

Verdade, luis. Bom regresso!