17 de maio de 2010

A galinha da minha vizinha é melhor que a minha



Todos temos uma galinha dentro de nós. Hoje em dia as galinhas podem ser de campo ou de aviário eu, por exemplo, sou do género de aviário. Já até pensei em injectar umas hormonas para crescer mais rápido mas depois disseram-me que se não tenho já não me nasce, que é o mesmo que dizer que já não me cresce. Mas ao contrário do que poderiam ter pensado inicialmente, não vou falar do farmville nem vou falar de inveja porque este não é um defeito que me caracterize.
Quando pensei nesta frase ou ditado estava mais a pensar, para além da insatisfação e confusão, da separação entre razão e coração. Já viram uma galinha a morrer? Vai a cabeça para um lado e o corpo para outro com vontade própria. É mais ou menos assim que eu me sinto, por vezes. A única diferença é que, embora pareça que não, a cabeça e o corpo estão sempre juntos e nem sempre concordam. É o conhecido mecanismo de defesa de racionalização, que basicamente se resume a arranjar um motivo lógico para pensamentos ou acções tidas como inaceitáveis, a falhar. É um dos mais aceitáveis e exemplifica-se em expressões como “eu acho que gosto de ti e não fiz por mal”, quando na verdade o que se está a tentar dizer é “perdi o controlo do meu coração e ele comanda as minhas acções”. Este é sem sombra de dúvida um dos que gosto mais, mas nem sempre consigo. Mas, já dizia o António Variações, “Quando a cabeça está convencida de que ela é a oitava maravilha, o corpo é que sofre” e eu quero me poupar. Até porque na minha cabeça, por agora, é melhor não fiar. Vou sublimar.

6 comentários:

El Matador disse...

A metáfora da galinha de cabeça pendida para um lado e o corpo para outro é brutal.

Tulipa disse...

brutalmente violento, matador.

Rafeiro Perfumado disse...

Lamento mas eu recuso dizer que tenho uma galinha dentro de mim. Um frango ainda vá, agora galinha nunca!

Tulipa disse...

ah rafeiro! Solta a franga que há dentro de ti! ;)

Catarina Reis disse...

Galinhas à parte, por vezes é bom seguir as emoções sem racionalizar mt... as decisões tomadas com o coração poderão não ser as melhores ou as mais assertivas, mas são sempre as mais verdadeiras.
Bjs

Tulipa disse...

Grande conselho Catarina. kiss